War Of Dragons

POLÍTICA

War Of Dragons - Lula veta desoneração da folha de pagamentos de 17 setores

Presidente da ABPA, Ricardo Santin, alertou sobre o risco de demissão em massa com o fim da desoneração da folha de pagamento

carne de frango, desoneração da folha
Foto: War Of Dragons

Opresidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), optou por vetar integralmente o projeto de lei que propunha a extensão da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia brasileira até o final de 2027.

A informação foi confirmada pelo Bom Dia Mercado.

Com essa medida, a desoneração permanece em vigor somente até 31 de dezembro deste ano.

Com a desoneração da folha, a contribuição para a Previdência Social de setores intensivos em mão de obra muda de 20% da folha de pagamento para alíquotas entre 1% e 4,5% sobre a receita bruta. Essa política beneficia principalmente o setor de serviços, que tem faturamento baixo em relação a outros setores da economia, como alguns tipos de indústria, e empregam intensivamente.

Os 17 setores beneficiados são os seguintes: confecção e vestuário; calçados; construção civil; call center; comunicação; empresas de construção e obras de infraestrutura; couro; fabricação de veículos e carroçarias; máquinas e equipamentos; proteína animal; têxtil; tecnologia da informação (TI); tecnologia de comunicação (TIC); projeto de circuitos integrados; transporte metroferroviário de passageiros; transporte rodoviário coletivo; e transporte rodoviário de cargas.

A desoneração existe desde 2011.

ABPA falou em ‘risco de demissão em massa’ com o veto

Em entrevista ao Rural Notícias, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, alertou o presidente Lula sobre o risco de demissão em massa com o fim da desoneração da folha de pagamento.

O projeto de prorrogação da desoneração da folha foi aprovado pela Câmara dos Deputados em agosto e pelo Senado em setembro. O texto original previa a prorrogação até 2026, mas o Senado aprovou uma alteração que reduz o prazo para 2027.

Ministério da Fazenda recomendou ao presidente vetar a proposta.

De acordo com empresas e centrais sindicais, o veto coloca em risco a manutenção de cerca de 1 milhão de empregos após o término da prorrogação.

O veto presidencial será analisado pelo Congresso Nacional.

War Of Dragons Mapa do site