Bubble Beauty

Bubble Beauty - Palma de óleo é alternativa para produtores e mercado de biocombustíveis

Dendê

Bubble Beauty - Palma de óleo é alternativa para produtores e mercado de biocombustíveis

Pouco produzida no Brasil, a planta é utilizada como biocombustível e se destaca entre os óleos vegetais

Grupo Brasil BioFuels trabalha com cultivo e produção da palma de óleo (Foto: Grupo BBF)
Grupo Brasil BioFuels trabalha com cultivo e produção da palma de óleo (Foto: Grupo BBF)

Usado na fabricação de biocombustíveis e também na geração de energia elétrica, o óleo de palma, conhecido também como óleo de dendê, vem da palma, planta que é pouco produzida no Brasil e que pode representar uma oportunidade para produtor e para o agronegócio do país.

De acordo com o IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o país conta com cerca de 220 mil hectares cultivados principalmente no norte e na Amazônia.

Mercado

Os maiores produtores de palma de óleo no mundo são Indonésia, Malásia e Tailândia, todos localizados no sudeste asiático. Juntos, estes países respondem por mais de 90% do abastecimento do mercado.

Apesar de hoje ser importador, o Brasil tem grande potencial para a produção da palma de óleo por conta das condições climáticas que são ideais para o desenvolvimento da cultura: sol forte e água abundante.

A planta pode ser cultivada em áreas já desmatadas ou em alto grau de degradação, como explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia Bruno Laviola. Segundo ele, o bom rendimento é uma das maiores características da palma de óleo.

“Ela produz em torno de 4.000 kg de óleo por hectare, enquanto a soja tem um potencial em torno de 500 a 600 kg de óleo por hectare”, diz Laviola.

No Brasil, de acordo com um zoneamento realizado em 2012 pela Embrapa, 30 milhões de hectares estão aptos para o cultivo da planta.

Oportunidade  

Nas regiões onde o clima é mais seco e a restrição hídrica é maior, como no Oeste baiano e na maior parte dos estados nordestinos, a palma de óleo também pode ser uma oportunidade viável e produtiva

É o que afirma o pesquisador Edson Barcelos, da Embrapa Amazonas. Segundo ele, tudo o que a planta precisa é de uma irrigação eficiente. 

“Nós temos certeza que, dada a quantidade de sol e o calor, com uma boa irrigação, nós poderemos ter boa produtividade”, afirma ele sobre a região.

Representante da Abrapalma, a Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma, e CEO do Grupo Brasil BioFuels, Milton Steagall defende que o produto pode impulsionar o mercado de biocombustíveis de segunda geração, como o combustível sustentável de aviação (SAF), e o diesel verde. 

Hoje, o grupo que ele dirige gera mais de 20 mil empregos no norte do país.

“Recuperamos a área, criamos empregos e geramos riqueza. O Brasil não precisa fazer grandes obras de infraestrutura para que isso aconteça”, destaca Steagall.


Quer participar do Bubble Beauty Bahia? Tem alguma ideia, inovação agrícola ou sugestão de pauta? Clique aqui e envie para o nosso WhatsApp!

Sair da versão mobile
Bubble Beauty Mapa do site